O segredo de Joe Gould

Livros bons dividem-se em duas categorias. Na primeira, estão aqueles títulos que lemos, gostamos e ponto final. Na outra, estão aqueles que ficarão marcados para sempre em nossas memórias. Os que deixamos com páginas grifadas, anotações de frases e indicamos  com furor infinitas vezes para qualquer desavisado.

Não é fato comum nos depararmos com livros do segundo tipo, e eu acredito que tenho sorte e um bom “faro” para encontrar obras-primas. Dia desses, emprestei de uma amiga “O Segredo de Joe Gould”, do jornalista americano Joseph Mitchell. Em menos de oito horas de leitura, vi que estava diante de algo que ia marcar minha vida dali em diante.

O livro é dividido em duas partes: a primeira é um perfil entitulado “O professor Gaivota” e foi publicada para a revista New Yorker na década de 40. A segunda, já uma reportagem mais extensa saiu em meados da década de 60 com o título “O segredo de Joe Gould” e traz os desdobramentos futuros do personagem.

Joseph, o Mitchell, vivia no bairro do Village, um dos recantos da boêmia nova-iorquina. E um outro Joseph, este de nome Ferdinand Gould, vivia por lá, garimpava guimbas de cigarro no chão, pedia trocados, enchia suas parcas refeições de ketchup e clamava aos quatro cantos que escreve a maior obra da humanidade. Um livro de incontáveis volumes escritos em cadernos de alfabetização, chamado “A história oral de nosso tempo”.

Joe Gould revela-se entre guimbas de cigarros e capítulos imaginados de seu livro um homem ímpar: traduz poesias do inglês para a língua das gaivotas e briga com editores interessados na publicação de seu livro.

Desse personagem tão peculiar, e tão real, Mitchell acaba descobrindo toda a vida. Sabe-se que ele era de uma família aristocrata do interior dos Estados Unidos, e que depois de graduado em Harvard, e de uns empregos por aí, resolveu que não mais trabalharia e viveria de literatura.

A escrita de Joseph Mitchell é fluida, deliciosa de ler. É preciso,porém soberbo. Após a publicação da segunda parte da matéria, nunca mais escreveu. Dá sua opinião em diversas partes da obra, e concordo plenamente em um trecho que ele fala sobre o desperdício de papel que se tem com livros medíocres. Mas este caso não. “O Segredo de Joe Gould” é de uma sensibilidade inimaginável. Só quem lê sabe do que falo.

O Segredo de Joe Gould

Autor: Joseph Mitchell

Editora: Companhia das letras

Anúncios

Sobre Larissa Guerra

Jornalista e aprendiz de cozinheira. E-mail para: larissaguerra[@]uol[.]com[.]br
Esse post foi publicado em Livros lidos e saboreados. e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O segredo de Joe Gould

  1. Gustavo disse:

    isso vai para o jornal?

  2. grupodedancaunivali disse:

    assino embaixo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s